Oportunidade

22 de ago de 2010

A arte de brigar

É impressionante a pessoa que consegue arrumar uma briga por um motivo que sequer há eminecia de que vá acontecer, ou por algo que não é analisado antes se é de fato importante.

Tem pessoas que brigam pq gostam de provocar, pq gostam de se reconciliar. Sim é verdade! tem isso.
Mas essas não são das piores, existe uma razão pra isso. Não é em vão. De certa forma, um roteiro que vai desde a escolha de um motivo para a calorosa discussão, até a reconciliação. Digamos que essa seja uma briga controlada.

Mas a pior briga, é aquela que acontece sempre pelas mesmas coisas, pelas mesmas coisas simples demais, a que falta imaginação, a que não tem crueldade. 
Vc discute pq o outro nunca tira o lixo. Quer coisinha mais mediocre!?
As brigas mais infames são aquelas que já foram brigadas. Por que repetir o mesmo roteiro? Aliás, odeio rotina.

Briga já solucionada. Todos os dias ele abre a janela do quarto, ele bate a porta do banheiro e pergunta se não vou levantar. Por que eu vou brigar por isso? Ele faz isso todos os dias, ele já sabe que isso me chateia, ele ja sabe que eu gostaria que parasse, nós ja discutimos, nos já brigamos.. Não ele não vai parar. Ponto! a briga acabou.

A não ser que eu tenha prazer na "briga nossa de cada dia", acabou a briga. Se o mesmo sexo fica chato, pq a mesma briga não?

Então, briga chata é essa. Mesmo motivo. Mude de quarto! Arrume uma briga nova.

Tem outra briga que considero a mais criativa, mas não acho que valha a pena tbem. Aquela que a pessoa consegue instigar o outro a brigar sem saber exatamente pelo que está brigando. Aqui, se um dos dois perceber a situação, alguem pode se divertir muito. Senão, inútil é brigar. Porque essa briga, como já falei, não existe sequer razão para começar, so jogo de ofensas.

Ela diz que precisa que ele não se atrase no sábado (observe que o sábado não chegou! que nguem se atrasou ainda! logo não existe um motivo para a briga). Mas ela, que é muito organizada, o relembra inúmeras vezes durante a semana que, no sabado, não deve se atrasar. Pronto, la pela décima vez que ela diz isso, ele já começa se defender dizendo é claro, que ela é quem costuma atrasar-se e não ele. A briga está feita.

Depois de qualquer briga, com motivo ou não, solúvel ou insolúvel. Sobram os estilhaços, corações partidos, egos feridos, o lixo fica la para ser tirado.
A briga que vale a pena, não é a que chegamos a uma solução, mas a que inclui no roteiro a faxina. É a que termina com lagrimas para lavar a alma, desculpas para secar as magoas, e um abraço para acolher o coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por participar!